quinta-feira, dezembro 29, 2005


A IMAGEM DA MARINHA EM PORTUGAL

A IMAGEM DA MARINHA

Muito se tem falado da imagem que a instituição militar tem ou deveria ter junto da população portuguesa, agora que se entrou numa nova fase de orgânica das FA’s, dadas as reestruturações no seu funcionamento, redefinição do dispositivo territorial, redução de pessoal, e reequipamento das FA’s, extensível aos três ramos, e principalmente com o fim do Serviço Militar Obrigatório.

No caso concreto da Marinha de Guerra, apraz-me dizer o seguinte:

Creio que a imagem que a população portuguesa tem da Marinha não difere muito, infelizmente da imagem que tem dos outros ramos.

Um desinvestimento de 30 anos em termos de reequipamentos, de que as fragatas Meko-200 e os F-16 foram excepções, e uns certos traumas pós-coloniais que custam a apagar das mentalidades colectivas da população, quase contribuíram para um certo divórcio entre os portugueses e a Instituição Militar.

No caso concreto da Marinha, julgo que esse divórcio, e até desprezo é potenciado pelas dificuldades que a Marinha tem tido para operar em todo o imenso mar português (o maior da União Europeia, em termos de ZEE), com poucos recursos navais, e ainda por cima já envelhecidos.

As 3 Meko da classe Vasco da Gama não dão para tudo, nem mesmo contando cm o contributo das 2 fragatas da classe João belo, e das remanescentes corvetas da Armada, igualmente ultrapassadas, e daí esse desprezo e desdém já que muitos olham para a Marinha atracada Alfeite, e não vêem mais que uma marinha algo envelhecida.

Também nos parece a todos algo estranho que se proceda ao abata consecutivo dos poucos meios navais que temos, nomeadamente as corvetas e os patrulhas Cacine, sem que os seus substitutos naturais – os NPO’s e as Lanchas de Fisacalização Costeira não estejam ainda construídas, e muito menos incorporadas no efectivo da Armada

Valham os recursos humanos que tudo têm feito para superar as dificuldades em termos técnicos.

O caso dos dois submarinos Daphné já muito velhos também não abona para uma boa imagem, e nem sei se será seguro mantê-los a navegar até virem os novos em 2009 e 2010.

Mas acredito que com novos equipamentos, com os novos patrulhões oceânicos, o previsto NavPol, e com as O.H.Perry (que considero não serem grande mais-valia, mas dados os constrangimentos financeiros, foi o que se pode arranjar), essa imagem possa mudar com o tempo, e quando se instituir na mentalidade colectiva que as FA's são para voluntários.

Quanto à vida útil da classe Vasco da Gama, não sei o que está previsto, mas dado que não se prevê que possam navegar muito para além de um horizonte de 15 anos, estará algo previsto ou em fase de negociação para uma futura marinha oceânica mais de acordo com os pergaminhos e necessidades efectivas do nosso país?

E o que está previsto em termos de poderio aero-naval para as Perry e para o futuro NavPol?

Virão hélis para a Marinha ou recorre-se aos da FAP?

Questões orçamentais e indefinição sobre o que efectivamente se quer leva a que o prestígio da Marinha e do país se perca frente a outras plataformas de outros países aliados, tornando a nossa Marinha a imagem de um país pobre, já que nos apresentamos sempre com o mais vetusto que há para apresentar.

Ou se tem Forças armadas ou não se tem

Se se tem, há que haver orçamento para aquisições e operação dos seus meios, capacidade para acudir às necessidades, num país que tem interesses geo-estratégicos que ultrapassam as fronteiras da Aliança Atlântica e da EU.

Ou de outro modo teremos as FA’s mais caras da Europa, e tal como no passado disse um general que foi CEME, “as FA’s não podem mais viver com orçamentos que apenas dão para o rancho e para o papel higiénico”.

Como tudo isto é confuso para quem está de fora, seria um bom contributo para que essa imagem mudasse, que os assuntos fossem mais abertamente discutidos (não na praça pública, como é óbvio) mas que houvesse da parte da Instituição e de quem a tutela uma melhor capacidade de comunicação com a população, e principalmente com o pequeno grupo de portugueses que gostam e admiram as nossas FA's, que devem por definição ser o garante da Segurança, Soberania e Independência da Nação Portuguesa.

7 Comentários:

At sexta-feira, 30 de dezembro de 2005 às 14:09:00 WET, Blogger Rui Martins said...

Do mísero estado em que deixaram a nossa Marinha têm muitas responsabilidades os consulados Cavaco (Meko e F-16 foram a excepção, não a regra) e sobretudo Guterres.

Quando vejo que em Espanha a maioria dos meios modernos são construídos na própria Espanha, pergunto se a construção local de fragatas e corvetas não poderia ser tb uma opção para a modernização da nossa Armada.

 
At sábado, 31 de dezembro de 2005 às 00:06:00 WET, Blogger admin said...

Dessa maneira, toda a gente teve responsabilidades.
A aquisição das fragatas Meko, foi em si, um investimento considerável para a época.

Também houve responsabilidade, mesmo antes de 25 de Abril com a aquisição das fragatas Pereira da Silva.

 
At sábado, 31 de dezembro de 2005 às 15:17:00 WET, Blogger Rui Martins said...

Mas Baptista de Andrade não foram compradas em 73 ou isso? Poderia pedir-se mais a um regime envolvido numa guerra terrestre de grande escala?

 
At domingo, 1 de janeiro de 2006 às 13:49:00 WET, Blogger admin said...

As Baptista de Andrade, entraram ao serviço entre 1974 e 1975, mas foram projectadas antes.
São navios construidos fora de Portugal para evitar a possibilidade de embargos, e também, porque houve duvidas quanto à capacidade portuguesa para construir navios com incorporação de tecnologias mais avançadas, vide o caso das fragatas Pereira da Silva.

Os meios "modernos" da Espanha, decorrem da visão americana da peninsula ibérica. Práticamente tudo o que a Espanha tem, é de origem, inspiração e desenho americano. A única excepção, s~´ao as corvetas epsnaholas "Descubierta" que de facto são de origem portuguesa. O resto é tudo americano, ou baseado em conceitos e equipamentos americanos.

 
At quinta-feira, 26 de janeiro de 2006 às 14:46:00 WET, Blogger kevingibson2714636349 said...

I read over your blog, and i found it inquisitive, you may find My Blog interesting. So please Click Here To Read My Blog

http://pennystockinvestment.blogspot.com

 
At terça-feira, 31 de janeiro de 2006 às 14:05:00 WET, Blogger Bajoulo said...

“A nossa vida com mais ou menos dificuldades, mas de gente livre, sem medos, sem preconceitos, é a que vai derrotar o fanatismo da Esquerda e dos seus Amigos Terroristas” – Quitéria Barbuda in “O Paraíso é incompatível com a Esquerda”, Revista “Espírito”, nº 9, 2005.


www.riapa.pt.to

 
At segunda-feira, 24 de abril de 2006 às 20:08:00 WEST, Blogger Saci said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

 

Enviar um comentário

<< Início do Blog