quinta-feira, maio 22, 2008


A Espanha ainda não aceita a independência de Portugal!

Carod Rovira, Portugal e a independência da Catalunha
O dirigente político catalão, Josep Lluis Carod Rovira, vice-presidente da Generalitat de Catalunya (governo autónomo catalão) em entrevista dada à agência noticiosa LUSA e transcrita em vários periódicos portugueses, afirmou no fim-de-semana passado, que o estado espanhol continuava a olhar para Portugal de uma forma paternalista, não tendo na realidade aceite ainda que Portugal é um país independente.

Na mesma entrevista, o político catalão afirmou que a Espanha, pretende manter sobre Portugal uma tutela paternalista, afirmando ainda que sempre houve um certo complexo relativamente a Espanha por parte de sectores da sociedade portuguesa que não definiu.

O dirigente da Catalunha, frisou que a questão catalã, não pode ser confundida com um simples regionalismo, porquanto a Catalunha é um país por direito próprio e a sua independência será um contrapeso lógico ao poder centralizador de Madrid.

Independentemente da retórica política, e das questões internas da Catalunha que estão por detrás das declarações do político daquele país, há no entanto algumas verdades que muitas vezes esquecemos, e uma delas foi referido por Carod Rovira:
Trata-se da questão da restauração portuguesa, que ocorreu em 1640, e que só teve possibilidade de vingar, porque durante 12 longos anos, de 1640 a 1652, a Catalunha lutou contra a monarquia dos Habsburgos[1]. Barcelona, caiu vitima da fome, depois de um cerco de 18 meses.
Só depois de 12 anos, o ramo espanhol da Casa de Áustria se vai voltar contra Portugal, quando o país teve tempo para tecer uma rede de alianças e organizar as suas defesas que vão permitir durante mais 16 anos uma resistência vitoriosa que a Espanha nunca nos perdoou nem perdoará enquanto existir.

Iberistas em pânico

Mas as declarações de Rovira, que a maioria dos portugueses nem sequer sabe quem é, e de quem nunca ouviu falar, passariam quase despercebidas, não fosse o pânico que se parece ter apoderado de sectores que em Portugal são normalmente conotados com as linhas iberistas, pensamento que defende a extinção de Portugal e a sua inclusão no grande império republicano Hispano com sede na grandiosa e imperial cidade de Madrid.

As reações indignadas, começaram pelo militante do Partido Comunista, José Saramago, funcionário do tenebroso Grupo Prisa, que alegadamente age de forma brutal sobre os seus jornalistas na América Latina, com o seu costumeiro hábito de obrigar os mesmos a escrever o que a direção do grupo editorial manda, muitas vezes sob coação. O mesmo grupo Prisa que controla com punho de ferro a estação de televisão portuguesa TVI.

Saramago, que já advogou o desaparecimento de Portugal, em declarações que foram consideradas quase obscenas até pelo seu próprio partido, afirmou que na sua residência espanhola da pequena e quase desértica ilhota de Lanzarote, nunca se apercebeu de nenhuma irregularidade da administração central e do ministério espanhol dos negócios estrangeiros em Madrid, que pudesse de alguma forma indicar o não reconhecimento da independência de Portugal.

José Saramago não explicou no entanto como é que seria possível a um escritor de 80 anos, preocupado com os seus sonhos e afastado milhares de quilómetros de Madrid, analisar com alguma propriedade os comportamentos do governo espanhol, nomeadamente aqueles que são relativos a Portugal.

Não deixa de ser interessante de analisar a apressada, desorganizada e quase histérica reacção de alguns sectores iberistas ou não, da sociedade portuguesa, que têm vindo a vender aos portugueses notícias sobre o «milagre espanhol», ocultando os seus podres, as suas misérias e as suas contradições.

Desconforto na Embaixada de Espanha

Como que tentando humedecer a palha para evitar que pegue fogo, a embaixada de Espanha em declarações de que o jornal Público se fez eco, foi espantosamente rápida a deitar água na fervura, afirmando que as relações entre os dois países são as melhores de sempre.
Segundo as declarações da embaixada, os espanhóis «Están encantados» com as relações entre Portugal e Espanha. O deficit comercial cresce a favor da Espanha, as empresas espanholas controlam já parte da comunicação social e portanto das notícias [3] e as empresas portuguesas continuam a ser alegremente ostracizadas e excluídas de todo e qualquer concurso público nos países espanhóis, num ambiente proteccionista que embora ilegal, tem o beneplácito do governo de Madrid e dos vários governos autónomos espanhóis.

Mas, a embaixada de Espanha, pode ser tudo menos diplomática, e a arrogância e visão paternalista que Carod Rovira referiu na sua entrevista, ficou claramente à vista quando a embaixada de Madrid afirmou numa vergonhosa demonstração de arrogância que não há contenciosos entre Portugal e Espanha.[2]

[img2]Além das reações do já referido militante estalinista, e espanholista assumido, e da embaixada de Espanha, a situação atingiu o cúmulo do patético num editorial do jornal Público, assinado pelo jornalista José Manuel Fernandes.
Naquele editorial, o jornalista faz críticas ao político catalão, acusando-o de provinciano e afirmando que as eleições na Catalunha não passam por Lisboa.

Tem razão o jornalista português, em afirmar que nada temos a ver com o processo político catalão, e que menos ainda teremos a ver com as ideias ou objectivos político-ideológicos de Carod Rovira.

Mas o que o articulista do Público fez, foi dar uma imagem muito clara, do nanismo intelectual de parte das elites portuguesas, que não tendo o mais pequeno conhecimento de História, e fiel à mesma imagem ultrapassada que desde Franco e Salazar, chegando a Zapatero, nos têm vindo a vender de Espanha, dispara em todas as direções, apenas para mostrar que tem uma arma, sem fazer a mais pequena ideia do que está a fazer.

As palavras do dirigente da Catalunha, alertam-nos para uma realidade que a comunicação social tem evitado referir, seja por convicção política, seja por medo da embaixada de Espanha.
A História afirma de forma clara, que a Catalunha tem o direito a ser um estado independente.

As razões que explicam e que suportam esse direito, são as mesmas que justificam e suportam o direito de Portugal à independência.
Quando Carod Rovira afirma que a Espanha não aceitou nunca a independência portuguesa, essa é a mais pura total e absoluta verdade, e bastaria a qualquer José Manuel Fernandes da vida ler um livro de História publicado em Espanha para o entender.
Teria evitado cair no ridículo

E finalmente as palavras do dirigente catalão, devem servir de reflexão, pois mais tarde ou mais cedo devemo-nos colocar a questão fulcral:

Quando o problema da independência da Catalunha se colocar – e não pode restar qualquer dúvida que não é uma questão de «SE», é uma questão de «QUANDO», o que fará Portugal ?

Portugal terá então dois caminhos:
Ou segue o caminho honrado, de quem defende o que está certo, porque nenhum povo da terra pode ser livre sem ser independente; E isso levará os portugueses a cumprir com aquela que é a nossa obrigação, em nome do sagrado direito à liberdade, que justifica a nossa própria existência como estado independente…

Ou então olha para o lado, finge que não tem nada a ver com o assunto e aceita como verdadeiras as palavras do ditador nazista Francisco Franco: Os portugueses não passam de um povo de cobardes!

Quando chegar a hora da verdade, podemos tentar evitar os problemas, escolhendo o caminho da desonra, mas quem perde a honra para evitar o conflito, ficará sem a honra, e acabará sempre por sofrer as consequências da sua cobardia.


Notas
[1] – Monarquia dos Habsburgos ou casa de Áustria, normalmente incorrectamente chamada de Espanha, dado tal país só existir formalmente após oo ano de 1715, muito depois da guerra da restauração.

[2] – O principal contencioso entre os dois países que persiste ainda hoje, respeita à ocupação há já 200 do território correspondente à Câmara Municipal de Olivença, distrito de Évora, no baixo Alentejo, tomado durante uma invasão espanhola e nunca devolvido.
A invasão e ocupação de Olivença e o genocídio étnico que ali ocorreu são censurados por toda a imprensa espanhola, ao mesmo tempo que com total despudor, se exige a devolução de Gibraltar ao estado espanhol, numa demonstração intolerável de dualidade de critérios, típica dos regimes ditatoriais e cujo desplante e miserável pouca vergonha, confirmam a afirmação de Carod Rovira de que o estado espanhol trata Portugal de forma paternalista.

[3] – O principal meio de controlo espanhol sobre a comunicação social portuguesa é a emissora de TV TVI, controlada com mão de ferro pelo grupo PRISA, sob o qual recaem inúmeras acusações de comportamentos ilegais, perseguições a jornalistas, despedimentos ilegais, e todo um numero de crimes que o poderoso grupo de comunicação social alegadamente terá praticado em países da América Latina, como a Bolívia, a Argentina ou o México.

Embora não sejam conhecidos casos de violência e de pressão sobre jornalistas portugueses, o presidente do grupo PRISA em Portugal, o antigo dirigente do partido comunista português (que segue a linha dura Estalinista) Pina Moura, afirmou que é normal que as empresas de comunicação social tenham a sua linha editorial própria, aceitando assim que as pressões se vierem a ocorrer, ou se tiverem ocorrido são legítimas.

É no entanto facto que a TVI não passa peças que possam ser consideradas como negativas para com o estado espanhol ou para com o governo de Espanha.

L'autonomia que ans cal es la de Portugal, quer dizer: A autonomia que queremos, é a de Portugal.

Mensagem automática publicada por : JPB

8 Comentários:

At quinta-feira, 22 de maio de 2008 às 12:19:00 WEST, Blogger filomeno2006 said...

Si home si, claro, claro, claaarooo......pero......

 
At domingo, 15 de junho de 2008 às 11:29:00 WEST, Blogger alfredo said...

Menos mentiras e mais leer História a serio. Quem é o Sr Carod Rovira? Um Sr. nascido em Aragão (Espanha) e filho de Guardia Civil, ou seja um espanhol renegado e comido pelo odio. Só consegue aparecer nesta politica mediocre e corrupta dos nacionalismos, pequenos feudos inventados politicamente sem rigor histórico, que já nos levaram uma vez à Guerra Civil, escumalha!!Por favor Portugal não dar importancia ao lixo da Espanha.

 
At quinta-feira, 16 de outubro de 2008 às 19:31:00 WEST, Blogger marka said...

Como já falei em comentário anterior. A saida de Portugal e pedir incorporação ao Brasil. Assim vocês não precisarão temer a Espanha e nem qualquer outro país europeu. Em poucos anos, o Brasil será incontestávelmente uma das maiores potencias econômicas do mundo. Reino Unido, França e Alemanha logo serão superados. Vamos nos colocar no nível de China, Índia, Rússia e EUA. O resto será periferia. O Brasil já se prepara para ser uma grande potencia militar. Nossa política é: primeiro comprar projetos de armas de ponta; depois assimilar e superar estas tecnologias.
Em dez anos, nenhum país europeu ousará brincar com o Brasil. Portanto, se Portugal se tornar um estado (provincia) brasileiro, vai mandar ai na Europa.

 
At quinta-feira, 16 de outubro de 2008 às 19:34:00 WEST, Blogger marka said...

Como já falei em comentário anterior. A saida de Portugal é pedir incorporação ao Brasil. Assim vocês não precisarão temer a Espanha e nem qualquer outro país europeu. Em poucos anos, o Brasil será incontestávelmente uma das maiores potencias econômicas do mundo. Reino Unido, França e Alemanha logo serão superados. Vamos nos colocar no nível de China, Índia, Rússia e EUA. O resto será periferia. O Brasil já se prepara para ser uma grande potencia militar. Nossa política é: primeiro comprar projetos de armas de ponta; depois assimilar e superar estas tecnologias.
Em dez anos, nenhum país europeu ousará brincar com o Brasil. Portanto, se Portugal se tornar um estado (provincia) brasileiro, vai mandar ai na Europa.

 
At quinta-feira, 16 de outubro de 2008 às 19:37:00 WEST, Blogger filomeno2006 said...

Brasil, País Amigo de España; el Pen Club Brasileiro tenía Premio Cervantes. La lengua de Cervantes, cada vez más estudiada en el Gran País Sudamericano.

 
At terça-feira, 11 de novembro de 2008 às 14:47:00 WET, Blogger carlos said...

Filomeno realmente é verdade, a lingua espanica esta cada vez mais sendo procurada nas escolas de linguas estrangeiras, mas não por amizade a Espanha, e sim por interesse, afinal todos os vizinhos do Brasil falam espanhol, nosso maior parceiro comercial ( Argentina) é filha da Espanha, portanto ...
bom porem Maka está blefando, o Brasil não é tudo isso e todos sabem, só que não podemos esquecer que ha olhos famintos vigiando o Brasil, por isso se o Brasil não quiser ser devorado tem que se armar e muito. como nós dizemos no Brasil " armar até os dentes".
Agora falando do texto, eu penso que, depois de ler atentamente ao texto, creio que Portugal tem que estar na mesma posição do Brasil, estar atento, se armar até os dentes, pois tambem ai, tem feras famintas esperando o momento certo para devorar-lhes. TODO O CUIDA É POUCO...

 
At segunda-feira, 24 de novembro de 2008 às 18:22:00 WET, Blogger carlos said...

Matéria do Financial Times de 11 de março de 2007, intitulada, As novas Sete Irmãs, analisadas em conjunto com o artigo do Almirante James Stavridis, Comandante do Comando Militar Sul dos EUA, publicado no Jornal do Brasil, em 06 de maio de 2007, faz-nos entender o porquê de tanta oposição dos EUA ao governo do presidente Hugo Chávez da Venezuela, bem como acende uma luz de alerta para os brasileiros sobre a inevitável oposição futura do governo estadunidense aos interesses do Brasil.



Segundo o periódico londrino, nos últimos quatro anos, um grupo de empresas estatais de países que não pertencem ao mundo das grandes potências, surgiu no cenário econômico internacional, desbancando os maiores grupos de energia com ações na bolsa do mundo. As novas sete irmãs são Aramco, da Arábia Saudita;Gazprom,da Rússia;CNPC, da China;NIOC, do Irã;PDVSA, da Venezuela;Petrobrás, do Brasil e Petronas, da Malásia.Essas empresas controlam um terço da produção mundial de petróleo e gás e mais de um terço das reservas totais de petróleo e gás, enquanto que as velhas sete irmãs, controlam apenas 3% das reservas. A Aramco era tolerada pelas companhias internacionais e pelas grandes potências, porém a recente mudança na influência internacional de companhias petrolíferas nacionais menores tem sido mais difícil de aceitar.



No final de 2006, a BP e a Shell perderam o segundo e o terceiro lugar entre as empresas do setor para a Gazprom e a PetroChina(88% controlada pela CNPC).Ocorreu uma forte mudança estratégica, pois os estados nacionais passaram a ter mais poder de decisão nos investimentos dos lucros obtidos com a indústria petrolífera. Fatih Birol,economista-chefe da AIE(Agência Internacional de Energia)afirmou que "a falta de disposição dos governos em permitir que as suas companhias petrolíferas nacionais reinvistam os seus recentes grandes lucros na própria indústria petrolífera, está na raiz de muitos dos temores sobre oferta futura." Birol acrescenta ainda:" Em vez de investir em mais energia, esses governos usam o dinheiro para empreendimentos sociais, ou ele é desperdiçado", portanto eles não querem que os países emergentes invistam no social, em saúde, educação e segurança, querem investimentos em energia para garantir petróleo e gás para eles.



Pronto, aqui está o alerta para o Brasil( a Venezuela já está de olho), haja vista que a China e Rússia possuem armas de destruição em massa, a Malásia está muito distante e a Arábia Saudita já está sob controle, concluímos que as bolas da vez, por ordem, são o Irã, a Venezuela e o Brasil. Os EUA e as grandes potências necessitam de energia para suas indústrias e não irão aceitar que governos de países emergentes, mediante as novas sete irmãs, ditem o controle de suas economias, razão pela qual os estadunidenses passaram a ficar de olho nos biocombustíveis brasileiros e querem ser nossos parceiros.



O alusivo artigo do Almirante James Stavridis, intitulado com o lema do Comando Militar Sul dos EUA, Parceria para as Américas, demonstra que os EUA estão interessados em parceria inclusive na segurança. Diz o Almirante:" Nossa meta é adotar uma série de programas para promover segurança, estabilidade e boa vontade na região,permitindo assim a disseminação da verdadeira prosperidade a 450 milhões de habitantes dessa parte das Américas". Ora, se os estadunidenses estivessem interessados em disseminar prosperidade na região, já deveriam ter aberto seus mercados aos produtos primários exportados pelos países da América latina, inclusive para o etanol brasileiro. Tudo não passa de retórica, devendo os brasileiros ficarem alerta para mais um canto da sereia.



O Almirante torna a utilizar os mesmos argumentos que fundamentam a intervenção estadunidense no mundo, bem como deixam patente serem os líderes do processo de globalização contra os estados nacionais, portanto contra as Forças Armadas e Empresas Estatais, pois entende-se nas entrelinhas que não há razão de termos FFAA nacionais, se vivemos em um mundo globalizado, quanto mais estatais petrolíferas, por isso estão atacando a PEMEX(Petróleos Mexicanos), quase obrigando sua privatização.Eis o argumento do porta-voz militar estadunidense para a Ibero-América: "Quando se analisam os desafios comuns enfrentados na região, percebe-se rapidamente que nenhuma ação isolada,pequena ou grande,pode superá-los.Tráfico de drogas,lavagem de dinheiro,financiamento e recrutamento de terroristas, contrabando de pessoas, desastres naturais, nada disso se detem nas fronteiras dos países.Esses desafios exigem soluções cooperativas;exigem parcerias."



A política externa brasileira precisa cumprir a constituição federal, que em seu parágrafo único, do artigo 4º, estabelece:" A República Federativa do Brasil buscará a integração econômica, política, social e cultural dos povos da América latina, visando à formação de uma comunidade Latino-americana de nações ."



REAGE BRASIL!

 
At segunda-feira, 24 de novembro de 2008 às 19:05:00 WET, Blogger marka said...

Concordo com comentário do Carlos. As potencias hegemônicas não vão deixar os emergentes assumirem mais poder de graça. Vâo fazer de tudo para impedir, mas o poder de fogo deles é cada vez menor. Se por um lado, os Estados Unidos possuem as mais poderosas forças armadas do mundo, de outro ponto de vista sua economia está combalida. Resta ver quanto tempo ainda têm os emergentes para se preparar e poder defender as suas riquezas, cada vez maiores.
Penso que há tempo, se as coisas certas forem feitas, pois o petróleo brasileiro está em alto mar, depende de te4cnologia e dinheiro para ser extraído. E os Estados Unidos não estão com tantos recursos assim para bancar a operação. Então enquanto isso, o Brasil pode se preparar, aprofundar as suas relações com os demais países latino-americanos e aproveitar o acordo com a França, para aperfeiçoar a sua capacidade de defesa.

 

Enviar um comentário

<< Início do Blog